Reginaldo Um Personagem de Caruaru


       Reginaldo Batista da Silva, hoje com 49 anos de idade, mora no bairro do Salgado, próximo à Policlínica e trabalho na escolinha de Bezerra na 22ª CSM - Circunscrição do Serviço Militar, ainda presta serviços ao Central SC e realiza outros trabalhos na área do futebol. Reginaldo foi um dos maiores centroavante do central no final da década de 80, fazia parte daquele elenco em que o central ganhou do CR Flamengo, por 2 x 1. Depois saiu de Caruaru foi para o estado de São Paulo e por lá jogou em vários times como: União Barbarense, São José, São Caetano e outros. Jogou no Londrina do Paraná, no Payssandu do Pará, onde fez o gol mais bonito do fantástico em 1992 contra o Goias. Também jogou na Grécia e na Espanha. Veja abaixo:







Gordo da Soparia um personagem de Caruaru


     Cláudio Samuel de Carvalho, o Gordo torcedor do Central de Caruaru, em seu estabelecimento exibe várias fotos do seu time de coração em momentos históricos em algumas conquistas. O Gordo da Saparia, como também é conhecido ele se dedica ao ramo da gastronomia. Na época de publicitário trouxe vários cantores para Caruaru, como Lindomar Castilho, Maurício reis, Rodrigo e muito mais.



Yure e Thales fazem homenagem a Vitalino



      Yure e Thales cantando Vitalino, Mestre do Barro (JC Santiago/Luiz Duarte) uma homenagem aos 107 anos de vida e morte, neste 10 de julho, desse grande artesão caruaruense que nos deixou um legado histórico e cultural nunca visto em outra parte do mundo e que fez de Caruaru o maior centro de artes figurativas das Américas. Obrigado Mestre Vitalino por todo a sua dedicação ao artesanato do barro.

Vitalino, Mestre do Barro

Vitalino, menino,
Treloso, jeitoso
Na arte de moldar,
A mão no barro, Todo melado,
Aprendia a criar
Transformando o barro, Fez doutorado
Também sabia cantar

Vitalino, Mestre do Barro
Não queria estar só
Como ele mesmo disse
Quanto mais tiver boneco
Tudo fica bem melhor

Vitalino, adulto,
Crescido, com
Sua banda a cantar
Mostrou sua arte, Não era de Marte
Mas amava seu Lar
Viajou de carro, Com peças de barro
Pra ao mundo mostrar

No Alto do Moura,
Ele fez manjedoura
Pra meninos brincar
Com o barro na mão, Sentado no chão
Fez Boi Bumbá
O pífano tocava, O barro amassava

Pra todos saudar

João Coveiro um Personagem de Caruaru



João Coveiro


                                                 Dé, João Coveiro e Luciano da serestra

        João Ferreira dos Santos, por esse nome poucos são os que conheceriam João Coveiro, muito conhecido em Caruaru por na época de 60, 70 e 80 ter um Bar com o seu nome na rua Barão de Caruaru, mais precisamente no número 214, no bairro do Salgado. Hoje com 90 anos de idade e muito lúcido visita nossa cidade pra retornar para a cidade Jandira na região metropolitana de São Paulo, próximo à Osasco, onde mora com um seus filhos que não foram poucos, 23 como ele diz.
        João Coveiro conta que seu apelido se deu por está de lado de um cemitério em Caruaru, altas horas com uma pessoa quando o delegado cidade chega e o aborda perguntando seu nome, ele responde que seu nome é João, então o delegado retrucou-lhe dizendo João Coveiro e daí até hoje ficou esse apelido. 
      Em seu bar frequentaram pessoas ilustres, como Jacinto Silva, Del do Baião, O trio Nordestino, Ovelha, Coroné Ludugério, entre outros. Pessoa muito carismática, também, trabalhou na fábrica de caroá por 29 anos, e por lá se aposentou. Várias foram as homenagem a ele, Léo Domingos canta A Soberania do Salgado em que seu nome é lembrado e A fabrica de caroá. Valmir Silva em uma de suas músicas também o faz homenagem.

159 de Caruaru - 18 de maio 2016


   Tema da Estácio de Sá em 1970, terra de Caruaru, uma homenagem à cidade promissora já reconhecida nos anos 70.


    Jamelão também fez sua homenagem à Caruaru.


    Documentário sobre caruaru.